Adsense

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Pedalboard para shows de barzinho

Pedalboard compacto para violão e guitarra, perfeito para os shows de barzinho que fazemos regularmente.
Tentei usar o CE-20 Chorus Ensemble para o violão e a guitarra ao mesmo tempo (usando as entradas e saídas estéreo), mas o resultado não agradou, então fica o titular CE-2 para a guitarra, e o CE-20 só para o violão mesmo.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Modificando uma guitarra barata (e gastando pouco!) repostagem


Uma postagem do meu antigo blog que ainda tem muitos acessos, e do qual muitos ainda me procuram pra perguntar é um texto de 2010 onde mostro as modificações que fiz numa simples guitarra Eagle Strato.

Por isso, achei importante linkar a matéria neste meu blog atual.
Acessem o texto clicando aqui.

sábado, 31 de dezembro de 2016

Última atualização de 2016 - pedalboard

Atualizando o setup de 2016:
Chegou recentemente um Boss CE-20 Chorus Ensemble.

E encomendei um buffer para o handmaker e amigo Eduardo Gonnelli. Ele criou um pedal com duas opções de buffer: o buffer do Klon Centaur e um sistema de buffer projetado por Pete Cornish (Pink Floyd).


Em breve, chegará o Mono Vibe da MG Music, mas como só deve ficar pronto em 2017, não deu para atualizar as coisas por aqui.


sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Trocando o bloco da ponte da Stratocaster


Como a alavanca da minha Strato quebrou, ficando parte da rosca dentro do bloco que fica embaixo da ponte da guitarra, acabei ficando um bom tempo sem este recurso, pois não tinha como colocar outra alavanca sem tirar este pedaço.

Porém, seguindo a inteligente sugestão do luthier Julio Cesar Kozikas, ao invés de tentar tirar o resto da alavanca dentro do bloco, resolvi trocar o bloco e, claro, instalar uma alavanca nova.

Escolhi o bloco da empresa Manara, feito inteiramente de aço por Carlos Manara (mais sobre o bloco e sua qualidade, leia matéria no site Loucos Por Guitarra). 

A alavanca escolhida é curta do tipo da usada por David Gilmour, também de aço.
A seguir, fotos do processo de troca do bloco.

1. Bloco e alavanca feitos pelo Carlos Manara (comprei no Mercado Livre, e recomendo):


2. O bloco novo e o bloco que veio instalado de fábrica na minha Fender:

3. Primeiro é necessário tirar as cordas:

4. Em seguida, temos que retirar os saddles (carrinhos):

5. Todos os saddles retirados (aproveitei pra fazer uma limpeza na ponte):

6. Antes de mexer na ponte, é preciso remover as molas:

7. É bom usar uma chave de fenda e um pano por cima pra evitar problemas:

8. Agora, sim, podemos retirar a ponte da guitarra:

9. Ponte removida da guitarra:

10. Depois de desparafusar a ponte do bloco, é possível ver o restinho da alavanca no furo:

11. Comparando os 2 blocos (o debaixo é o Manara inteiro de aço):

12. Parafusando a ponte no bloco (reparem que a cor dos parafusos de inox é diferente da minha ponte, dourada. Mas não vejo problema nisso, é apenas estética:

13. Depois, é hora de colocar a alavanca pra testar:

14. Parafusando de volta a ponte com o novo bloco:

15. Hora de recolocar as molas:

16. Recolocando os saddles (aproveitei e limpei os parafusos):

17. Colocando as cordas (novas, 0.10, que é o que uso):

18. E pronto! Hora de ajustar a pressão das cordas, testar e tocar!



23 de dezembro de 2016











segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Pink Floyd e Dr. Estranho

O personagem de HQ Doutor Estranho da Marvel anda em voga atualmente por conta do lançamento do filme agora em 2016.
Por isso, é interessante notar a influência que o personagem (bem como outros nomes dos quadrinhos) traz para o mundo da arte, e da música especificamente.

A capa do segundo álbum do Pink Floyd, A Saucerful of Secrets, lançado em 1968, contém colagens e montagens feitas pelo artista gráfico Storm Thorgerson (da Hipnosis, célebre pelas capas mais icônicas do Floyd e do rock em geral), e várias partes foram retiradas dos quadrinhos Marvel's Strange Tales #158, publicado originalmente em 1967.

A criação da capa não contém os créditos originais dos quadrinhos, aparecendo Doutor Estranho, os planetas e até o Tribunal Vivo (The Living Tribunal), tudo de forma bem sutil e opaca ao lado de outros símbolos, refletindo os gostos e assuntos que rondavam a mente da banda na época.
Mas comparando com a página dos quadrinhos originais (clique na imagem abaixo pra ampliar), é possível ver com clareza a chupação, ops, colagem:
clique na imagem para ampliar

Misturando a capa com o quadrinho original:


Ainda sobre Dr. Estranho e e Pink Floyd: na música Cymbaline (inclusa na trilha sonora do filme More), há uma citação ao personagem na letra:

"Suddenly it strikes you that they're moving into range
And Dr. Strange is always changing size".

Em contrapartida, até como uma homenagem reversa, no filme Doutor Estranho é tocada a música "Interestellar Overdrive".
E, recentemtente, Benedict Cumberbatch, o ator que interpreta o misterioso doutor, cantou "Comfortably Numb" num show de Gilmour, alimentando ainda mais as referências psicodélicas e obscuras, tanto do Pink Floyd quanto de Dr. Strange!

Uma curiosidade sobre o disco 'A Saucerful of Secrets': é o único da banda que contém os cinco integrantes originais tocando, pois marca a fase de transição entre a saída de Syd Barret e a entrada de David Gilmour. Gilmour toca em 3 faixas, e Barret toca em 5 faixas. E o disco tem 7 faixas, ou seja: Gilmour e Barret tocam partes alternadas de guitarra na faixa 'Set the Controls to the Heart of the Sun'!

Pra finalizar, abaixo uma bela versão animada da capa, feita por Alex Stubbe, onde as referências, influências e viagens ficam mais claras:


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Acordes das músicas do disco Perpetual Gateways (Ed Motta)


Eu eu meus cúmplices compadres do Bloptical editamos, há um bom tempo atrás, de modo totalmente independente e gratuito, duas edições do Fakebook Ed Motta, com cifras e detalhes sobre várias músicas do artista tijucano.
Porém, devido a correria e os caminhos de cada um, nunca mais atualizamos o livro com as músicas novas.

Mas eis que o músico Lucas Victoy resolveu botar a mão na massa, transcrever e publicar, em videos no Youtube, várias músicas do disco Perpetual Gateways (Membran, 2016), bem como canções do disco anterior, AOR, e de outras fases da carreira de Ed. Ótima oportunidade de aprender, tocar, e estudar as composições dele!
Fico inclusive com grande vontade de digitar e publicar em PDF as músicas cifradas pelo Lucas. Claro, assim que houver tempo hábil.

Então, como um serviço de utilidade pública, e por adorar ouvir (e tocar) as músicas de Ed Motta, mas sabedor das intricadas harmonias que ele utiliza, mostro abaixo alguns vídeos do Lucas Victoy, e sugiro entrar e se inscrever no canal dele, assistindo os demais vídeos. E utilizo este espaço para agradece-lo imensamente pelo belíssimo trabalho!


Captain's Refusal:


Reader's Choice:

Essa é 1978, do disco AOR:

domingo, 12 de junho de 2016

No ano em que nasci...


No ano em que nasci Peter Frampton ganhava o mundo com seu disco Frampton Comes Alive!. Disco considerado o álbum ao vivo mais vendido de todos os tempos.

No ano em que nasci The Eagles contaram ao mundo a história daquele hotel, com aquele famoso dueto de guitarras entre Don Felder e Joe Walsh.

No ano em nasci Richie Blackmore e Dio lançaram o segundo álbum do Rainbow, considerado o melhor disco de metal de todos os tempos pela revista Kerrang!.

No ano em nasci Djavan marcava sua estreia em disco com o lançamento de 'A voz, o violão, a música de Djavan'.

No ano em que nasci The Crusaders fizeram um antológico show em Montreaux.

No ano em que nasci a banda Kiss queria destruir o mundo com o disco Destroyer.

No ano em que nasci o cantor e guitarrista George Benson colocou nas prateleiras das lojas seu disco Breezin', que flertou com o pop e o colocou como mestre do estilo smooth jazz.

No ano em que nasci Stevie Wonder lançou um dos discos mais importantes de sua carreira, o aclamado 'Songs in the Key of Life' .

No ano em que nasci, surgiu nas telas de cinema o filme The Song Remains the Same ('Rock é rock mesmo', no Brasil), disco que mostrou de perto as facetas e genialidade de Jimmy Page e o Led Zeppelin.

No ano em que nasci, a banda Rush lança seu primeiro disco ao vivo, All The World's A Stage, encerrando a primeira fase da banda canadense.

No ano em que nasci, o Rush lança, em seguida, o disco 2112, um marco na fase progressiva da banda, cuja faixa título tinha mais de vinte minutos de duração.

No ano em que nasci, Paul McCartney gravou com o Wings um dos melhores e mais clássicos álbuns ao vivo de todos os tempos, 'Wings Over America'.

No ano em que nasci e, mais especificamente no dia em que nasci (23 de junho), os mesmos Wings eram os campeões do rádio, pois a música 'Silly Love Songs' era a canção mais tocada das paradas.

No ano em que nasci Chico Buarque agrupa em disco com o título 'Meus Caros Amigos' músicas que compôs para vários filmes, como a própria Meu Caro Amigo e O Que Será (À Flor da Terra) que conta com a voz de Milton Nascimento.

No ano em que nasci a banda Steely Dan lançava o disco The Royal Scam, com várias faixas com a blazing guitar de Mr. Larry Carlton.

Sem falar nos lançamentos de álbuns de Ike White, Rita Lee, Eddie Henderson, Dexter Wansel, Stephen Bishop, Jonny Winter, Scorpions, Grand Funk, Joe Walsh, Jaco Pastorius, Sergio Mendes, Ohio Players, Harvey Mason, David T. Walker, Paulinho da Costa, Doobie Brothers, Eric Clapton, Al Jarreau, Ned Doheny, Bob James, Boz Scaggs, James Vincent, Hyldon, Donald Byrd, Kool and the Gang, Leroy Hutson, Volker Kriegel, Boston, Tommy Bolin, Pat Meheny, Atlantis, Roy Ayers, Elton John, ...



terça-feira, 24 de maio de 2016

The Teachers Pink Floyd Tribute Band - Clube da Esquina, Fartura-SP 21/05/2016


A banda The Teachers tem o hábito de se reunir muitas poucas vezes durante o ano pra fazer shows, seja por dificuldade de reunir todos os 9 membros, seja pela escassez de espaços para tocar.
Mas quero comentar o show que fizemos no dia 21 de maio de 2016 no Clube da Esquina Botequim.
Foi o primeiro show promovido pelo bar, usando o espaço anexo do Planeta Sabor Rotisseria e Eventos (antigo Oak Bier), e apesar de não estar lotado, o bom público pagante curtiu imensamente o repertório com todos os clássicos do Pink Floyd.


Um show memorável a começar pelo som e iluminação, a cargo da Lima Som de Chavantes-SP, que além da qualidade, mostrou o apreço e empenho dos profissionais que entregaram um som absolutamente redondo, o que propiciou a banda focar apenas na música e na interação.


Outro ponto positivo foi o público extremamente cativo, que apreciaram a música e a banda de maneira exemplar, sem brigas, excessos ou descaso. 


E outro fator importante foi o local: o Clube da Esquina Botequim foi inaugurado com a proposta de oferecer pratos e bebidas de ótima qualidade, bem como de incentivar e divulgar a boa música da região. Por isso também, o evento foi coroado de êxito.

Enfim, mais um feliz show para marcar na história da banda The Teachers.